Dançarina é condenada 3 anos de prisão por causa devídeos no TikTok. Foto: Instagram
Dançarina é condenada 3 anos de prisão por causa devídeos no TikTok. Foto: Instagram

A dançarina de dança do ventre Sama el-Masry foi condenada no Egito a três anos de prisão e ao pagamento de uma multa de US$ 18 mil por “atos indecentes” ao publicar fotos e vídeos no Tik Tok.

+ Dançarina é condenada 3 anos de prisão por causa devídeos no TikTok
+ Prêmio da Quina acumula e prêmio sobe para R$ 5,1 milhões; veja os números
+ Homem é flagrado caminhando com cabeça decapitada nas mãos

Sama el-Masry, de 42 anos, foi acusada pelo Ministério Público do Egito de “cometer atos indecentes em público”, “incitar a prostituição” e “violar os valores familiares da sociedade egípcia”.

A dançarina foi detida em abril. Na ocasião, ela negou que tenha feito upload dos vídeos nas redes sociais, e alegou que teve o celular roubado e o conteúdo foi publicado por outra pessoa sem o seu consentimento.

No sábado, o Tribunal Econômico de Contravenções do Cairo disse que ela havia violado os princípios e valores da família no Egito, além de estabelecer, gerenciar e usar sites e contas nas mídias sociais com o objetivo de cometer ‘imoralidade’.

Sama também é famosa no Youtube aonde tem 727 mil incritos

“Há uma enorme diferença entre liberdade e devassidão”, disse John Talaat, membro do parlamento que pediu uma ação legal contra el-Masry e outras mulheres participantes do TikTok.

Talaat disse à Thomson Reuters Foundation que el-Masry e as outras influenciadoras das mídias sociais estavam destruindo valores e tradições familiares, atividades proibidas pela lei e pela constituição.

El-Masry disse que apelaria

De acordo com a lei de crimes cibernéticos do Egito, emitida em 2018, qualquer pessoa que crie e administre uma conta na Internet para cometer um crime punido pela lei pode ser presa por um período mínimo de 2 anos e uma multa de até 300.000 libras egípcias.

Um grupo de influenciadores do TikTok e do Instagram e YouTubers foi preso pelas autoridades egípcias nos últimos meses sob a acusação de promover devassidão e prostituição nas mídias sociais.