O Pentágono ainda está a caça de OVNIs e vai divulgar informações

432

Em 2017, o Pentágono admitiu ter financiado um programa secreto para investigar OVNIs. Embora tenha dado a informação que o Programa Avançado de Identificação de Ameaças de Aviação funcionou apenas de 2007 a 2012, um relatório do Senado norte-americano divulgado em junho ,demonstra que, a busca por fenômenos aéreos não identificados continua bem ativa.

+ Ex-apresentadora do Jornal Nacional é demitida após denunciar assédio de chefe
+ Herman Miller e Logitech, lançam cadeira ergonômica para ficar horas jogando sem sentir dor
+ Veneza restringe lotação nas gôndolas por causa do peso dos turistas

O documento detalha que o objetivo da Unidentified Aerial Phenomenon Task Force é fazer uma arquivo de todos os avistamentos de veículos aéreos não identificados e reportar algumas das descobertas ao público a cada seis meses.

O relatório pode dar a impressão que o Pentágono está ativamente a procura de visitantes extraterrestres, alimentando, em parte, as teorias da conspiração que afirmam que o Governo norte-americano sempre teve provas da existência de aliens. Contudo, a verdadeira missão principal do programa é verificar se outros países, em especial nações “rivais” como a China ou a Rússia, estão a usando tecnologia aérea avançada para ameaçar os Estados Unidos.

Em entrevista ao The New York Times, Luis Elizondo, antigo diretor do programa , confirmou que a Unidentified Aerial Phenomenon Task Force é uma evolução do programa que decorreu entre 2007 e 2012. “[A Task Force] não tem mais se esconder nas sombras”, indicou, acrescentando que terá agora um novo nível de transparência.

Em abril deste ano, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos publicou oficialmente três vídeos que demonstram fenômenos aéreos não identificados ocorridos em 2004 e 2015.

O vídeo mais longo tem a duração de 1,16 minutos e mostra um objeto estático até que de repente desaparece do radar. O arquivo foi publicado com a designação “Flir” na bibilioteca virtual da Marinha.