Pesquisa brasileira irá permitir criação de LEDs de luz ultravioletas

28
Pesquisa brasileira irá permitir criação de LEDs de luz ultravioletas

O Laboratório de Pesquisas Fotovoltaicas do Departamento de Física Aplicada do Instituto de Física Gleb Wataghin, da Universidade Estadual de Campinas, realizou um estudo com o objetivo de compreender e controlar melhor as propriedades eletrônicas e ópticas do nitreto de boro.

+Cauã Reymond posa sem camisa e revela: ‘acordei às 5h50 e fui malhar’
+ Avião elétrico da Rolls-Royce quebra recordes de velocidade
+ Facebook desenvolve luva para sentir o metaverso
+ Embraer cria carro voador que faz homenagem a Ayrton Senna

O trabalho científico foi publicado na revista 2D Materials. Coordenada pelo professor Luiz Fernando Zagonel, a pesquisa teve como protagonista o estudante de doutorado Ricardo Javier Peña Román e é fruto de colaboração com grupos de pesquisa do Reino Unido e da França.

“Dito de forma bastante resumida, o que fizemos foi medir o bandgap eletrônico de uma monocamada de nitreto de boro hexagonal [h-BN]”, conta Zagonel à Agência FAPESP. A principal vantagem do nitreto de boro em termos de aplicação decorre do fato de ele possuir um bandgap eletrônico muito grande.

Como isolante elétrico resistente a altas temperaturas, o nitreto de boro é um material com muitas aplicações comerciais. E novas funcionalidades ainda podem ser exploradas, entre elas a produção de diodos emissores de luz (LEDs) ultravioleta de tipo C (UVC).

Esse tipo de luz é muito útil para esterilizar ambientes, superfícies ou mesmo a água, pois danifica o DNA de microrganismos, tornando-os inativos. Atualmente, lâmpadas fluorescentes são utilizadas como fontes de UVC, mas LEDs podem ter eficiência muito maior.