A órbita da Terra está cada vez mais cheia de detritos e começam a ser cada vez mais freqüentes as possíveis colisões entre o lixo espacial abandonado.

+ Xiaomi provoca Apple em propagandas de celulares
+ Sonda BepiColombo registra imagens de Vênus
+ “Amnesia: A Machine for Pigs” está de graça na Epic Games a partir desta quinta (15)

Assim, um velho foguete chinês à deriva e um satélite militar russo não tripulado passarão esta noite a 12 metros um do outro. De acordo com o serviço de localização de lixo espacial LeoLabs, este encontro terá lugar pelas 20:56h (hora do Brasil) desta quinta-feira 15.

Segundo a agência, há mais de 10% de hipóteses dos dois objetos colidirem a uma altitude de 991 quilômetros acima do Mar de Weddell, mesmo ao largo da Península Antártica.

Síndrome de Kessler

Embora neste momento a taxa de colisões entre os destroços espaciais não seja muito alta, existe uma teoria preocupante sobre o que poderá acontecer no futuro chamada “síndrome de Kessler”.

A teoria criada pelo astrofísico da NASA Donald Kessler em 1978, que afirma que com uma grande quantidade de destroços no espaço, a qualquer momento haverá uma cascata de colisões descontroladas que tornarão o espaço perto da órbita da Terra impraticável.