Você pode até achar estranho, mas brigar com seu marido pode ser algo bom no fim das contas. Isso porque, segundo um estudo americano, casais que discutem têm um risco menor de problemas de saúde e morte prematura.

+ Após 18 anos de casa, Sheron Menezzes anuncia saída da Globo
+ Maria Eduarda Catão, a Princesa do Rodeio de Jaguariúna, morre aos 21 anos
+ 6 reclamações mais comuns que aparecem na terapia de casal

Contudo, há uma regra importante para isso: a conversa deve ser no mesmo tom para ambos os lados. Caso contrário, se um estiver mais calmo e o outro mais estressado, pode quase dobrar o risco de morte prematura.

A pesquisa publicada no Journal of Psychosomatic Medicine analisou respostas de 192 casais com mais de 32 anos. Com isso, verificaram se a maneira como eles discutiam afetava suas vidas úteis.

“Quanto maior o descompasso entre o estilo de resposta de enfrentamento da raiva dos cônjuges, maior o risco de morte prematura”, explicou Kyle Bourassa, psicóloga da University of Arizona (EUA), segundo o Daily Mail Online. Já se as respostas do casal ao conflito forem diferentes, isso pode se traduzir em mais conflitos diários ao longo do tempo.

“Pode-se querer discussões mais acaloradas, enquanto o outro parceiro pode não querer, deixando ambos insatisfeitos com o modo como seus conflitos são tratados”, completa ela.

Isso, então, acaba resultando em um estresse diário que prejudica a saúde das pessoas a longo prazo. Desta forma, o estudo teve como conclusão que casais que possuem estilos de conversa e discussões parecidos têm menos conflitos e mantêm uma melhor condição de saúde.