Informação é do Serviço Copérnico contra a Mudança Climática

O mês de setembro deste ano foi o mais quente já registrado, exibindo temperaturas anormalmente altas no litoral da Sibéria, no Oriente Médio e em partes da América do Sul e da Austrália, disse o Serviço Copérnico contra a Mudança Climática da União Europeia (UE) nesta quarta-feira (7).

+ Série D: ABC empata com Central e mantém liderança de grupo 4
+ É hoje, Mega-Sena sorteia prêmio acumulado de R$ 100 milhões
+ Carla Diaz posta foto da época de Laços de Família: “Sabe quando vc olha uma foto sua e se acha linda linda?”
+ Rafaella Gonçalves, PM e influenciadora digital é morta pelo marido em casa

Ampliando uma tendência de aquecimento de longo prazo, causada pelas emissões de gases do efeito estufa, as temperaturas altas deste ano desempenharam grande papel em desastres que vão dos incêndios no estado norte-americano da Califórnia e no Ártico às inundações na Ásia, disseram cientistas.

Globalmente, setembro foi 0,05 grau Celsius mais quente do que o mesmo mês de 2019 e 0,08 grau Celsius mais quente do que em 2016, até então o setembro mais quente e o segundo mais quente já notificado, como mostraram dados do Copérnico.

Durante os últimos três meses de 2020, eventos climáticos como o fenômeno La Niña e os níveis baixos projetados para o gelo do Oceano Ártico no outono ajudarão a determinar se o ano como um todo se tornará o mais quente já registrado, disse o serviço Copérnico.

Fonte: Agência Brasil