Ar-condicionado: como acertar na escolha e na instalação do aparelho para a sua casa

17
Liberte-se da ideia de que o aparelho precisa estar sempre no centro do ambiente! Neste projeto, realizado pelo escritório Oliva Arquitetura, o ar-condicionado foi instalado na sala de jantar que está integrada com a cozinha e a sala de estar. O resultado foi um clima gostoso e equilibrado por toda área social | Foto: Renan Soares
Liberte-se da ideia de que o aparelho precisa estar sempre no centro do ambiente! Neste projeto, realizado pelo escritório Oliva Arquitetura, o ar-condicionado foi instalado na sala de jantar que está integrada com a cozinha e a sala de estar. O resultado foi um clima gostoso e equilibrado por toda área social | Foto: Renan Soares

Houve um tempo em que o ar-condicionado era considerado um artigo de luxo, mas com o passar dos anos essa ideia foi se dissolvendo e hoje ele está cada vez mais presente nos lares.

As mudanças climáticas e os dias com temperaturas bastante elevadas fizeram do ar-condicionado um item mais que necessário para proporcionar conforto e qualidade de vida aos moradores. Porém, mesmo com a sua popularidade, muitas dúvidas surgem quanto a escolha do aparelho ideal e o melhor local de instalação.

Liberte-se da ideia de que o aparelho precisa estar sempre no centro do ambiente! Neste projeto, realizado pelo escritório Oliva Arquitetura, o ar-condicionado foi instalado na sala de jantar que está integrada com a cozinha e a sala de estar. O resultado foi um clima gostoso e equilibrado por toda área social | Foto: Renan Soares
Liberte-se da ideia de que o aparelho precisa estar sempre no centro do ambiente! Neste projeto, realizado pelo escritório Oliva Arquitetura, o ar-condicionado foi instalado na sala de jantar que está integrada com a cozinha e a sala de estar. O resultado foi um clima gostoso e equilibrado por toda área social | Foto: Renan Soares

“A primeira grande pergunta que ouvimos nas conversas com nossos clientes está relacionada ao BTU do ar-condicionado, tendo em vista o tamanho do ambiente. A outra diz respeito ao local de instalação”, explica a arquiteta Fernanda Mendonça. “Nosso trabalho é posicionar o ar-condicionado de forma a beneficiar não apenas o local específico em si, mas no contexto do layout, principalmente quando falamos de projetos com ambientes integrados”, completa.

Veja também:

Prepararamos um check list que deve acompanhar o morador nas decisões que envolvem a aquisição e instalação do ar-condicionado. Confira!

O que é preciso saber antes de comprar o ar-condicionado?


“Antes de efetuar a compra, nosso trabalho como arquiteto é analisar o espaço minunciosamente”, descreve a arquiteta Cristiane Schiavoni. Mas além da questão física, ela acrescenta que o número de pessoas interfere na performance do equipamento| Projeto Cristiane Schiavoni | Foto: Carlos Piratininga

“O ponto de partida é conhecer as características de dimensionamento do ambiente”, pontua Cristiane. Nesse âmbito, ela se refere à área do cômodo, altura do pé-direito, a média de pessoas, entre moradores e visitantes, que possivelmente frequentarão o espaço, bem como a existência de outros equipamentos que emitam calor próximo ao ar-condicionado. “Com essas variantes, conseguimos especificar a potência adequada do equipamento”, relata.

Calculando os BTUs


Neste apartamento de apenas 35m², projetado pela Oliva Arquitetura, as arquitetas tiveram o cuidado de não posicionar o aparelho nas áreas onde os moradores se sentariam. Localizado acima da TV, o dispositivo é capaz de refrigerar o imóvel que tem a planta integrada e sem oferecer riscos à saúde. | Foto: Daniel Lee

Mas afinal, o que são esses BTU’s? A sigla em inglês – British Thermal Unit –, pode ser traduzida como ‘Unidade Térmica Britânica’ e, em linhas gerais, indica a medição para o tamanho da potência que o aparelho tem para o resfriamento. O número de BTUs deve ser determinado tendo como base o tamanho do ambiente e do número de pessoas que o ocuparão. De modo geral, a conta do profissional de arquitetura considera o tempo que o ar-condicionado leva para resfriar o espaço e, normalmente, costuma-se calcular de 600 a 800 BTUs por metro quadrado. No entanto, algumas variáveis podem influenciar nessa conta.

Veja também:

Se o ambiente tiver muita sombra, a capacidade deve ser reduzida em 10%. Caso receba muita luz solar, a potência deve ser ampliada em 10%. Se mais de duas pessoas ocuparem o ambiente, adicione 600 BTUs para cada e, caso o ar seja levado para a cozinha, a capacidade deve ser expandida em 4.000 BTUs. “A especificação da potência errada pode resultar em um sistema de refrigeração ineficiente e, em alguns casos, se torna desconfortável e até prejudicial para a saúde por conta do frio em excesso”, destaca Fernanda.

Escolhendo o cômodo


Quando o morador opta por ter apenas um equipamento de ar-condicionado, o dormitório se configura como o cômodo preferido para a instalação| Projeto Oliva Arquitetura | Foto: Renan Soares

Em projetos residenciais com um único ar-condicionado, a sugestão das especialistas é que os moradores avaliem e percebam qual ambiente é mais quente, mais utilizado e em qual deles o calor mais incomoda. “De uma maneira geral, todos acabam preferindo o quarto, pois para dormir é um pouco mais complicado quando estamos no calor intenso”, discorre Cristiane. A arquiteta ainda lembra que, com a pandemia e a longa permanência em casa, algumas famílias têm preferido fazer a instalação do aparelho na sala, uma vez que passam mais tempo na área social da casa.

Pré-requisitos para instalação

Para a instalação, o projeto precisa considerar uma infraestrutura adequada. É essencial que haja um ponto de dreno para que a condensação da água escoe e não cause infiltrações, bem como a colocação de uma tubulação de cobre que formará a rede frigorígena apropriada para abastecer a máquina. Outro ponto importante – e que conta como condição sine qua non –, está na observância da parte elétrica para verificar a necessidade (ou não) de adaptações que permitirão o abastecimento de energia de acordo com a demanda do equipamento.

Melhor posição


Se possível, evite posicionar o eletrodoméstico em paredes que recebam a luz do sol em excesso. A longo prazo, isso pode danificar o aparelho. | Projeto Cristiane Schiavoni | Foto: Carlos Piratininga

Para que o aparelho funcione de maneira efetiva, é necessário prever uma altura adequada e o cálculo de proporção com relação ao pé direito do espaço. Para casas com pé direito de altura padrão (em média, 2,70 m), recomenda-se a disposição do ar-condicionado com uma folga de 10 cm abaixo do teto. Nas circunstâncias com pé-direito duplo, a medida precisa ser revista e avaliada por um técnico em refrigeração. “Nosso desafio é encontrar um ponto em que a refrigeração seja uniforme, sem deixar que o ar incida diretamente em alguns locais e desprivilegie outros. Como tudo, equilíbrio é fundamental”, discorre Bianca.

Ar-condicionado na cozinha


Embora mais incomum, os aparelhos também são bem-vindos na cozinha! | Projeto Cristiane Schiavoni | Foto: Carlos Piratininga

O ar-condicionado pode ser instalado em qualquer ambiente, inclusive a cozinha, que durante os momentos de cocção no fogão e com forno ligado, tem tudo para se tornar o lugar de maior temperatura da casa! No entanto, o equipamento por lá exige atenção especial: é essencial que haja uma coifa ou depurador apropriados para livrar a cozinha de toda fumaça que pode atrapalhar o funcionamento do ar-condicionado, sem contar que demandará a necessidade de manutenção e higienização com maior regularidade. “Outro fator a se considerar é com relação ao preparo das refeições, já que pode interferir diretamente na ‘comida quentinha’ que se esfriará mais rapidamente”, opina Fernanda.

Fique por dentro de nossas notícias na página do DecorStyle no Facebook ou no nosso site www.decorstyle.ig.com.br