Liso, estampado, de algodão ou sintético? Aprenda como escolher os tecidos de todos os estofados de casa

Como escolher os tecidos e estampas dos estofados da casa. Korman Arquitetos/Foto: Gui Morelli

Seja para revestir mobiliário, dar vida à almofadas, cortinas ou até paredes, o universo dos tecidos é bastante vasto.

Com diversas opções de materiais, texturas, cores e tramas, os tecidos devem ser cuidadosamente escolhidos para garantir um lar belo e, acima de tudo, funcional. “Existem diversos tipos de tecido, cada um para uma necessidade. A escolha cuidadosa deve levar em conta o estilo de vida e a personalidade da família, bem como o lugar em que o apartamento está inserido”, opina Ieda Korman, profissional a frente do escritório Korman Arquitetos.

Como escolher os tecidos e estampas dos estofados da casa. Korman Arquitetos/Foto: Gui Morelli
Como escolher os tecidos e estampas dos estofados da casa. Korman Arquitetos/Foto: Gui Morelli

Segundo Ieda, a lógica da escolha de um tecido pode, em alguns casos, se assemelhar à da escolha de uma roupa. “Se falamos de um lugar frio, os tecidos para a casa devem ser naturais e mais peludos, como a lã. Em casas de praia, um linho rústico funcionaria bem melhor“, explica. A rotina da família também interfere diretamente nesse momento. “Uma casa com animais de estimação pede por tecidos que não puxem fios, que tenham tramas mais fechadas. Famílias com crianças, por outro lado, precisam daqueles mais fáceis de limpar, impermeabilizados“, indica.

Veja também:

Para facilitar, a arquiteta separou algumas dicas para as diversas aplicações de tecidos dentro de um lar. Confira:

Tecidos para mobiliários


Para Ieda Korman, um dos principais cuidados em ambientes integrados é o de saber coordenar os tecidos. Foto: Gui Morelli

Quando se trata de sofás, poltronas ou cadeiras, existem diversos tecidos que passeiam pelos materiais naturais, mistos ou sintéticos. “Prefiro sempre as opções naturais, mais belos e com toque agradável. Agora, para quem preza por praticidade, as opções mistas ou sintéticas são as melhores“, afirma.

Dentre os mais procurados estão o Jacquard, bastante resistente e com trama bem fechada; o couro natural ou sintético, ótimo para projetos mais clássicos ou rústicos; o veludo, bastante elegante, e ainda outros como Chenille, Suede, Linho e, claro, Algodão. “Para não errar, o mais simples é optar por tecidos lisos no sofá, que é a maior peça de uma sala, e deixar os estampados ou para almofadas, ou para uma poltrona de destaque“, indica a profissional do Korman Arquitetos.

Veja também:

Os tecidos lisos também devem ser escolhidos para que coordenem com os tons existentes nos estampados, garantindo assim uma harmonia na composição. “Além do cuidado com os tecidos em um mesmo ambiente, é importante prestar atenção em lares integrados. Assim, um apartamento que tenha salas de estar e jantar conjugados, os tecidos devem seguir a mesma lógica“, explica Ieda Korman.


Nesse projeto, os profissionais do Korman Arquitetos optaram por um tecido neutro no sofá, deixando as cores para as poltronas. Foto: Gui Morelli

De olho nas almofadas


Nesse projeto do Korman Arquitetos, as almofadas são o ponto de cor e destaque. Foto: Gui Morelli

Acessório indispensável, as almofadas possibilitam uma liberdade muito maior na escolha de tecidos. Para elas, é possível optar até mesmo pelas opções mais finas já que, ao contrário do mobiliário, elas não precisam ser muito encorpadas. “Por serem acessórios que facilmente podem ser trocados e recombinados, as almofadas são as melhores opções para ousar nas cores e estampas“, indica Ieda Korman.

Tecidos para área externa

Agora, quando falamos de mobiliários para área externa, é necessário ter um cuidado maior especialmente na questão da impermeabilização. “Os tecidos hoje em dia, principalmente quando importados, já vem impermeabilizados. Mas, se não for o caso, é necessário escolher bem aqueles que aceitam esse tipo de cuidado. A seda pura, por exemplo, não pode ser impermeabilizada e deve ser evitada em áreas externas”, afirma Ieda Korman.

Existe uma série de tecidos tecnológicos capazes de resistir bem ao sol e à chuva, com fibras resistentes ao desbotamento. “Ainda assim, sempre que o mobiliário não estiver em uso, é bom deixá-lo encapado”, sinaliza a profissional.

Revestindo as paredes

Por fim, os tecidos podem ser uma ótima opção para renovar completamente uma parede, de forma prática e rápida. “Eles são uma alternativa viável ao papel de parede, mas devem ser evitados em casas com pessoas alérgicas”, explica Ieda Korman.

Bastante versáteis e com uma infinidade de texturas e estampas, os tecidos podem ser aplicados em paredes de ambientes secos e arejados – como o living, hall de entrada ou até quartos. “Para isso, prefira sempre os tecidos de algodão, mais resistentes. Tecidos finos como a seda não são indicados, pois são frágeis e bastante caros”, diz.

Veja também:

Para a aplicação, Ieda Korman indica sempre a contratação de mão de obra especializada, especialmente quando se trata de um tecido estampado, que pede por mais cuidados para garantir a continuidade dos desenhos. “Sempre é necessário medir a parede que receberá o tecido, garantindo ao menos 10 cm a mais de sobra de tecido, em todos os lados”, explica. O cuidado com emendas também é essencial, por isso a arquiteta indica que a aplicação comece do centro das paredes para a ponta, garantindo que nenhuma costura fique muito evidente.

Fique por dentro de nossas notícias na página do DecorStyle no Facebook ou no nosso site  www.decorstyle.ig.com.br